Categoria: História Geral

PACTO ENTRE HOLLYWOOD E O NAZISMO, O

Autor : Urwand, Ben

Editora: Leya

ISBN: 9788577346691


R$ 39,90

Comprar Comprar

Sinopse

Na década de 1930, para continuar a fazer negócios na Alemanha após a ascensão de Hitler ao poder, os estúdios de Hollywood concordaram em não produzir filmes que atacassem os nazistas ou que condenassem a perseguição aos judeus. Em O pacto entre Hollywood e o nazismo, que ganha nova edição, o mestre em comunicação e especialista em cinema Ben Urwand revela pela primeira vez esse acordo uma colaboração que envolveu um elenco de personagens que ia desde conhecidos líderes alemães, como Goebbels, até ícones de Hollywood, entre eles o influente diretor do estúdio Metro-Goldwyn-Mayer (MGM), Louis B. Mayer. Após a leitura deste livro, será impossível assistir aos clássicos da Era de Ouro do cinema americano com os mesmos olhos. No centro da história de Urwand está o próprio Hitler, que era obcecado por filmes e reconhecia seu grande poder para moldar a opinião pública. Em dezembro de 1930, o partido promoveu manifestações contra a projeção em Berlim do longa Nada de novo no front, o que desencadeou uma série de eventos e decisões infelizes. Temendo perder acesso ao mercado da Alemanha, todos os estúdios de Hollywood fizeram concessões ao governo alemão e, quando Hitler chegou ao poder, em 1933, os estúdios muitos deles chefiados por judeus passaram a negociar diretamente com seus representantes. Urwand mostra que esse arranjo foi mantido durante toda a década de 1930, e que os estúdios se reuniam regularmente com o cônsul alemão em Los Angeles para mudar ou cancelar filmes segundo a vontade dele. Grandes estúdios como a Paramount e a Fox investiram os lucros obtidos com o mercado alemão em noticiários daquele país, enquanto a MGM financiou a produção de armamentos para a Alemanha. O autor conta que, no decorrer de sua pesquisa, uma palavra se repetia: colaboração (Zusammenarbeit). E, aos poucos, ficou claro que essa palavra descrevia com precisão o arranjo particular entre os estúdios de Hollywood e o governo alemão na década de 1930 , escreve. Do mesmo modo que outras companhias americanas, como IBM e General Motors, os estúdios de Hollywood colocavam o lucro acima dos princípios em sua decisão de fazer negócios com os nazistas. Eles injetaram dinheiro na economia alemã, numa variedade embaraçosa. Mas, como o Departamento de Comércio dos Estados Unidos reconheceu, os estúdios de Hollywood não eram simples distribuidores de bens; eram provedores de ideais e cultura. Tinham a oportunidade de mostrar ao mundo o que realmente acontecia na Alemanha. Nisso o termo colaboração assumia seu pleno significado. A partir da pesquisa minuciosa em documentos nunca antes examinados, O pacto entre Hollywood e o nazismo levanta a cortina de um episódio da história de Hollywood e dos Estados Unidos que permaneceu oculto por muitas décadas. Ben Urwand apoia-se numa farta documentação nunca antes citada para argumentar que os estúdios de Hollywood, num esforço para assegurar aos seus filmes o mercado alemão, não só se submeteram à censura nazista como cooperaram de modo ativo e entusiasmado com o esforço global de propaganda daquele regime. The New York Times Um estudo esclarecedor sobre Hollywood e a elite nazista Este livro revela uma história que macula o brilho da era dourada do cinema. Urwand realizou uma pesquisa incansável de arquivos, citando cartas, memorandos e reportagens de jornal, revelando uma vergonhosa política de concessões por parte dos chefes dos grandes estúdios. E o que dá à história uma ironia especial é que esses chefes, que fizeram de tudo para se conciliar com a enlouquecida ideologia do nazismo, eram eles mesmos, em sua maioria, judeus. The Guardian

Ficha Técnica

Editora: LEYA
Código de Barras: 9788577346691
Coleção:
ISBN: 9788577346691
Edição: 1
Encadernação: BROCHURA
Idioma: PORTUGUÊS
Altura X Largura X Profundidade: 23,00 x 15,50 x 1,80
Ano: 2019
Nº Páginas: 368
Origem: Nacional
Peso: 489 g.